Caja Mungosú

capa

O projeto Cajá Mungosú tem como principal finalidade a sensibilização de praticantes de religiões de matrizes africanas para a proteção aos recursos naturais das APA’s (Capivari-Monos e Bororé-Colônia) e de seu entorno, que se constituem-se como espaços sagrados que preservam raízes e hábitos tradicionais com entrega de oferendas religiosas, além de serem protegidos legalmente.

A proposta do projeto foi apresentar soluções para que nas entregas de oferenda fossem utilizados objetos mais “modernos” que por causar impactos menos nocivos nos recursos naturais. As medidas mitigadoras foram feitas ao longo do projeto, de forma minimizar os impactos deixados pelos trabalhos espirituais, nas matas, estradas, cachoeiras e rios, em regiões dentro e nas proximidades das APA’s (Capivari-Monos e Bororé-Colônia).

A estratégia de sensibilização foi focada na religiosidade, resgatando junto aos praticantes da religião uma análise crítica para com os recursos naturais para se fazer as entregas de oferenda, (pois a natureza é o próprio orixá, divindades religiosas).

Tais medidas foram praticadas, através de palestras de sensibilização, com os agentes multiplicadores (filhos de santo, das casas acompanhadas pelo projeto), onde também foram realizadas oficinas de materiais biodegradáveis, substituindo alguns matérias utilizados nessas práticas religiosas. Todo trabalho foi feito através da educação ambiental, buscando um desenvolvimento sustentável por meio da sensibilização e conscientização dos agentes multiplicadores.

pag-1 pag-2 pag-4 pag-5 pag-6 pag-7 pag-8 pag-9 pag-10 pag-12 final

Casas Participantes:

Casa 1 - Sacerdote: Mutalecimbi. Religião: Umbanda. Bairro: Parelheiros. Localizado: Nas proximidades da APA Bororé-Colônia. Casa 2 - Sacerdote Serginho de Oxum. Religião: Candomblé. Bairro: Bosque do Sol. Localizado: Nas proximidades da APA Bororé-Colônia. Casa 3 - Sacerdote: Márcia de Oxum. Religião: Candomblé. Bairro: Parque Oriental. Localizado: Nas proximidades da APA Capivari-Monos. Casa 4 - Sacerdote: Oyá Naiambá. Religião: Candomblé. Bairro: Jardim São Francisco. Localizado: Na APA Bororé-Colônia.

Casa 5 - Sacerdote: Odé Faloió. Religião: Candomblé. Bairro: Colônia. Localizado: Na APA Bororé-Colônia.

Casa 6 - Sacerdote: Omilodô. Religião: Candomblé. Bairro: Vargem Grande. Localizado: Na APA Capivari-Monos

Casa 7 - Sacerdote: Santianda / Lunegi Religião: Candomblé Bairro: Chácara São Silvestre. Localizado: Nas proximidades da APA Capivari-Monos.

Casa 8 – Sacerdote: Serginho de ode. Religião: Candomblé. Bairro: Jardim Oriental. Localizado: Nas proximidades da APA Capivari-Monos.

Casa 9 – Sacerdote: Kitacilê. Religião: Candomblé. Bairro: Cidade Nova América. Localizado: APA Capivari-Monos.

Áreas locais de entrega:

Área 1 – Represa Tropical. Bairro: Jardim Santa Fé. Localizada: Dentro da APA Bororé-Colônia.

Área 2 – Trilha e lago eutrofizado. Bairro: Jardim Novo América. Localizada: Dentro da APA Capivari-Monos.

Área 3 – Cachoeira dos macacos. Bairro: Penteado, município de Embú-Guaçú. Localizada: Nas proximidades da APA Capivari-Monos.

Área 4 – Encruzilhada, em estrada de terra. Bairro: Parque Oriental. Localizada: Nas proximidades da APA Capivari-Monos.

Área 5 – Linha do trem. Bairro: Marsilac. Localizada: Dentro da APA Capivari-Monos.

Área 6 – Praia do Capivari Bairro: Parque Oriental. Localizada: Dentro da APA Capivari-Monos. 11 Imagem5 Imagem6

A Constituição da República Federativa do Brasil :
“Consagra a igualdade de todos perante a lei e a inviolabilidade de crença religiosa, e garante, da mesma forma, a plena proteção à liberdade de culto e a seus rituais.“ É o que preceitua o artigo 5º, VI, da Carta Federal: “Art. 5º – Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: VI – é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias.”